• 13/07/2024

Parece que chegamos na economia TikTok

A economia de criadores de conteúdo é um mercado de 104 bilhões de dólares. Para cada um milhão de dólares que as marcas investem no TikTok, elas recebem 7,2 milhões de volta.

De um lado do jogo de tabuleiro, temos influenciadores que praticamente permitem que marcas e usuários controlem suas vidas e o ritmo de sua criatividade por dinheiro. Do outro lado, marcas e empresas capazes de tudo para garantir que seus produtos e serviços cheguem aos consumidores certos e faça florescer seu desejo eufórico de comprar algo novo.

Ok, mas… O negócio de marketing e publicidade não funcionou assim desde, vejamos, sempre?

Fiquei surpreso ao ler a última edição da revista Fortune (outubro / novembro de 2021) e ver que a matéria de capa se intitulava apenas “Bem-vindo à economia TikTok”, de Jeffrey M. O’Brien.

Vamos ser honestos, faz sentido quando olhamos para o recente relatório da Neo Ranch and Influencer Marketing Hub, que mostra que a economia de criadores e influenciadores é um mercado de $104 bilhões de dólares.

Em 2019, Rebecca Fannin falava sobre a estratégia por trás da ascensão global da TikTok, considerando que poucas startups de tecnologia decolaram tão rapidamente quanto a ByteDance, de Pequim, criadora do TikTok. Em apenas dois anos, o TikTok surgiu para rivalizar com empresas como Netflix, YouTube, Snapchat e Facebook, com mais de 1 bilhão de downloads em 150 lojas em todo o mundo e 75 idiomas. No aplicativo, vídeos caseiros mostram de tudo, desde comédia a sincronização labial e dicas de cuidados com os cães que os usuários criam e compartilham em seus smartphones.

O artigo da Fortune conversa com o executivo Blake Chandlee, que acredita que o modelo de negócios subjacente do Facebook e seus semelhantes – aproveitando grandes quantidades de dados do usuário para fornecer anúncios personalizados – está caindo em desuso, impulsionado em parte pelo movimento para permitir que os consumidores controlem seus dados e se manifestam, por exemplo, nas configurações de segurança da Apple e nas políticas GDPR da UE.

Veja também: Inteligência Artificial Nos Processos Seletivos

Em contraste, Chandlee chama a TikTok de uma empresa de conteúdo, cujo objetivo principal não é conectar as pessoas, mas sim entreter elas. A proficiência do algoritmo TikTok faz o Facebook e o Instagram parecerem mídias sociais 1.0 em comparação com a rede de vídeos. O feed “For You” do TikTok tende a ser mais explosivo. É um mecanismo de autodescoberta, servindo uma dose de dopamina a cada golpe. Portanto, o TikTok é um lugar incrível para os profissionais de marketing se eles forem corajosos o suficiente para entregar sua marca e deixar que os influenciadores a exiba de sua própria maneira. Muitas marcas ainda têm medo de fazer isso.

Os principais criadores podem ganhar dezenas de milhares de dólares por uma única postagem patrocinada. Para as marcas, é ainda mais lucrativo. “Para cada 1 milhão de dólares que as marcas gastam em marketing de influenciadores no TikTok, elas estão vendo $7,2 milhões em vendas nos primeiros 90 dias”, disse Seth Kean, CEO da ROI Influencer, uma empresa de Nova York que mede engajamento e vendas por distribuidores em plataformas de mídia social, de acordo com o artigo da Fortune.

Mas Rebecca Jennings, em outro artigo para a Vox, lembra que essa nova forma de ganhar dinheiro muda tudo. Basicamente, o que está acontecendo é que o pessoal de tecnologia está finalmente percebendo que ninguém vai usar um novo aplicativo a menos que haja a possibilidade de ficar rico e/ou famoso com ele, e assim uma lista de plataformas estão surgindo para alavancar essa demanda.

Como Li Jin argumentou na Harvard Business Review em dezembro de 2020, a lacuna entre os criadores que vivem de seu conteúdo e aqueles que quase não ganham nada está aumentando. Nesse ponto, praticamente toda a riqueza está espalhada entre os influenciadores mais importantes.

De acordo com o artigo, há muito mais dinheiro na Economia TikTok do que apenas o dinheiro que vai para ela: “No ano passado, a TikTok lançou um “Fundo para Criadores de Conteúdo” para pagar seus usuários diretamente por conteúdo popular.

O Snapchat lançou um programa semelhante chamado Spotlight, que oferece aos criadores milhões de dólares de compensação por mês. Na semana passada, o Facebook, dono do Instagram, anunciou que pagaria mais de um bilhão de dólares aos usuários em suas plataformas até 2022.

É impressionante, não?

William Meller

Fundador do Portal Sucesso Jovem

Posts relacionados