Inteligência artificial nos processos seletivos

Em virtude do grande número de candidatos que se aplicam às oportunidades, muitas empresas tem recorrido aos “robôs da seleção” para efetuarem um processo seletivo mais rápido e eficiente.

Atualmente, além de plataformas ATS (Applicant tracking system ou Sistema de Rastreamento de Candidatos) , podemos contar também com tecnologias de reconhecimento facial que captam as expressões dos candidatos, possibilitando que suas emoções sejam mapeadas em entrevistas por vídeo.

A gamificação é outra tendência que tem sido utilizada pelas empresas e através da qual, pode-se testar diversas habilidades (estratégia, raciocínio lógico, trabalho em equipe, etc).

Jonathan Sampson, diretor geral da empresa Hays, em depoimento a revista VOCÊ S/A, afirma que “A inteligência artificial é parte relevante do processo, mas não substitui um especialista humano para gerenciá-lo, interpretá-lo e para construir os relacionamentos em torno dela”.

Qual sua opinião sobre essas tendências tecnológicas nas seletivas? É um grande avanço ou retrocesso das relações humanas?

Aline Sousa

http://projetoelevate.com.br

Bacharel em Administração de empresas, especialista em gestão de pessoas, Headhunter e consultora comportamental e de carreira. Acredito muito na força do propósito e na humanização das relações. Atuação há mais de 8 anos com condução de processos seletivos de empresas nacionais, multinacionais, estrangeiras e cargos de diferentes tipos de senioridade. Eleita Linkedin Top Voices 2020 dentre mais de 46 milhões de usuários a nível Brasil.

Posts relacionados

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.