O Efeito Spotlight

Muitas pessoas centralizam-se no universo, concluindo serem notadas pelas outras muito mais do que realmente são. Esse é o efeito holofote.

Você acabou de chegar ao fim de mais um dia de trabalho. Para relaxar alguns minutos e curtir um tempo juntos, seus colegas o convidam para 30 minutos de happy hour. No decorrer desse happy hour, você mencionou uma ideia de projeto e elaborou um comentário incorreto sobre essa ideia. De repente, você começa a pensar: “agora todo mundo está pensando em como sou estúpido, e eles vão falar de mim em casa“.

As pessoas que são vítimas do efeito Spotlight sentem que não podem ter um defeito visível nem cometer um erro, porque os outros parecem estar se fixando constantemente nessas questões apenas para julgá-los e condená-los.

O efeito Spotlight é o nome dado à tendência de exagerar qualquer defeito ou erro, por menor que seja.

Um estudo publicado no Journal of Personality and Social Psychology em 2000 pelos psicólogos americanos Tom Gilovich e Kenneth Savitsky examinou os efeitos de um grupo de estudantes completar uma tarefa não relacionada na mesma sala enquanto um deles usava uma camiseta um pouco vergonhosa.

Aqueles que vestiam a camiseta foram solicitados a estimar quantas pessoas na sala perceberam o que estavam vestindo. De acordo eles, cerca de metade da sala percebeu o que eles estavam vestindo. Na verdade, a camiseta embaraçosa só foi reconhecida por 25% das pessoas na sala.

Essencialmente, o fato de as pessoas realmente usarem a camiseta e estarem na situação fez com que superestimassem quantas pessoas notariam dramaticamente.

Na realidade, a maioria das pessoas não percebe o que estamos fazendo! A razão para isso é todos estão muito preocupados consigo mesmos ou com o que estão fazendo. Há pouca chance de eu notar que camisa você está vestindo se estivermos na mesma aula de cálculo.

Os psicólogos empregam o termo efeito Spotlight (ou efeito holofote) para descrever nossa tendência de superestimar a quantidade de atenção que recebemos dos outros. Em outras palavras, é quando você sente que os holofotes estão sempre brilhando sobre você, que as pessoas estão prestando atenção no que você está fazendo por qualquer motivo.

“… O efeito holofote refere-se a um sentimento com o qual a maioria de nós pode se identificar. É a sensação de que, quando estamos fazendo algo, outras pessoas estão realmente prestando atenção no que estamos fazendo e que os holofotes sociais estão sobre nós. E acontece que outras pessoas estão prestando muito menos atenção em nós do que pensamos…” – Tom Gilovich, no Freakonomics Radio Podcast #280.

Em um artigo no Very Will Mind, Arlin Cuncic diz que, para pessoas com ansiedade social, o efeito spotlight pode ser muito pior, a ponto de afetar sua capacidade de trabalhar ou se sentir confortável com outras pessoas.

É comum as pessoas acreditarem serem o centro das atenções dos que estão ao seu redor. A crença de que todas as suas ações estão sendo examinadas de perto pode fazer com que as pessoas sintam que estão sendo submetidas a uma pressão social indevida. Na verdade, o efeito holofote é uma das principais causas de ansiedade desnecessária quando as pessoas estão em locais públicos.

“… Existe uma coisa chamada efeito holofote. Você tende a pensar que está no centro das atenções e todo mundo está olhando para você. Aplicando isso ao amigo secreto durante o Natal, é como se você pensasse que todo mundo está olhando para o presente que você está prestes a dar. E assim você coloca muito mais peso nisso, e talvez gaste um pouco demais. A verdade dura é que você não é tão interessante. A pessoa que está prestes a ganhar o presente ganhará outros, e eles provavelmente esquecerão o que você vai dar-lhes…” – Justin Wolfers, no Freakonomics Radio Podcast #105.

Devido ao efeito holofote, temos um senso exagerado de significado para as pessoas ao nosso redor, fazendo com que julguemos mal as situações e tomemos decisões com base em nossas percepções excessivamente infladas de visibilidade.

“… Como personagens principais de nossa própria história, grande parte do nosso mundo gira em torno da consciência de nossas ações e aparência. Consequentemente, pode ser difícil perceber que os outros não estão tão focados em nós e em nossos comportamentos quanto pensamos que estão. Esperamos que os outros percebam coisas negativas e positivas sobre nós, incluindo erros durante uma apresentação, uma camisa manchada, sapatos novos ou um boné de time esportivo…” – Allison S. Bernique

Sian Beilock, cientista cognitivo e ex-professor de psicologia da Universidade de Chicago, escreveu no The Financial Times, aconselhando: “Vivemos em um mundo imperfeito. Inevitavelmente, cometeremos erros no trabalho ou passaremos vergonha entre colegas. Felizmente, a maioria das pessoas é egocêntrica e não presta muita atenção em nós. Quando aceitarmos isso, seremos capazes de nos livrar de qualquer pressão.”

Relaxe quando estiver em dúvida e presuma que você provavelmente está superestimando o quanto as pessoas se importam. Você deve se lembrar de que, mesmo que alguém perceba com o que você está preocupado, provavelmente não se importará tanto quanto você pensa, e provavelmente não se lembrará disso depois.

Esse artigo apareceu primeiro em inglês, no williammeller.com: The Spotlight Effect and Social Anxiety

William Meller

Fundador do Portal Sucesso Jovem

Posts relacionados