Vocação e aptidão

vocação e aptidão

Imagem: Stokpic

Você sabe a diferença entre vocação e aptidão? Aprenda neste artigo o significado cada termo e qual a diferença existente entre vocação e aptidão.


Olá, me chamo Dante e este é meu primeiro artigo. Espero poder transmitir conhecimento e trazer reflexões sobre questões vitais para o cotidiano e a vida profissional como um todo, afinal, sua profissão vai além do local onde você trabalha.

Neste primeiro artigo gostaria de falar sobre vocação e aptidão. Acredito que você já ouviu estas palavras, mas será que realmente as conhece? Sabe diferenciá-las e utilizá-las para identificar suas próprias características?

A internet está cheia de testes vocacionais. Antigamente estes testes eram feitos com psicólogos ou profissionais da área que traçavam um perfil do entrevistado com base nas informações recebidas e com isso indicavam suas possíveis vocações. Hoje bastam apenas alguns cliques num questionário eletrônico e já recebemos uma resposta.

Mas o que é vocação? Como podemos identificar nossa própria vocação?

Vocação é um termo derivado do verbo no latim “vocare” que significa “chamar”.

Vocação é um termo muito usado no âmbito religioso. Padres, pastores e outros líderes religiosos definem a vocação como uma voz interior que guia cada um no caminho que deve seguir. Esse tipo de afirmação concorda com a etimologia da palavra, apresentada acima.

O “chamado vocacional” geralmente é algo nítido e que nos causa certa comoção. A vocação é produzida por algo que nos incomoda, que nos deixa inconformados e nos “obriga” a agir.

Veja tambem >> A arte de empreender no cotidiano

Na Roma e Grécia antigas, a política era considerada uma vocação. O sociólogo e economista alemão Max Weber apresentou um ensaio denominado “A política como vocação.” onde cita alguns atributos de um político que realmente possua vocação.

São estes:

Paixão: dedicação apaixonada a uma causa. Isso significa capacidade de sofrer por tal causa e não um grande apreço ou afeto.

Senso de responsabilidade: como guia de ação. O vocacionado sente que defender tal causa ou alcançar determinado objetivo seja sua responsabilidade, sendo ele impulsionado a agir.

Senso de proporções: capacidade de deixar que as coisas atuem mantendo-se com uma calma íntima. O político deve ser capaz de conseguir distanciar-se dos problemas e analisá-los com a gravidade e sobriedade.

Claramente, não é possível para uma única pessoa defender todas as causas sem entrar em contradição. Este motivo é o que levou ao consenso de que seriam necessários vários representantes da polis (cidade em grego). Assim nascia a democracia, uma forma de defender todas as reivindicações.

Como podemos ver a vocação não está presa somente às habilidades que alguém apresenta. Estas são de grande importância, pois serão aplicadas no exercício da vocação, porém não são os elementos principais para identificar e entender a vocação.

Como já disse antes, a vocação surge a partir de algo que nos deixa desconfortáveis. Pense, por exemplo, em um médico. Sendo a medicina sua vocação, seu incomodo pode ter surgido de testemunhar a dor de outros. Um policial certamente sente-se incomodado com a violência, assim como um juiz se sente com a injustiça.

Observe que a vocação não é um simples incomodo, ela surge a partir disto, mas consegue ir muito além. A vocação literalmente nos “força” a agir. Utilizo o verbo forçar não apenas pela obrigação que os vocacionados sentem, mas também pela força que ela lhes proporciona. Além de convencer-nos a tomar uma atitude, a vocação nos motiva, fazendo-nos ver os resultados antes mesmos de alcançá-los.

Entretanto, a vocação não almeja recompensas materiais. A vocacionado não exige salário. O profissional, sim. Deste modo fica ainda mais fácil perceber a vocação. Ela é algo que nos motiva, nos alegra e pelo qual não esperamos retribuição. A própria oportunidade de executá-la já é suficiente.

Segundo o filósofo chinês Confúcio:

“Se você trabalhar em algo que ama, não trabalhará um único dia em sua vida.”

Isto é: caso sejamos felizes o suficiente para unir profissão e vocação, o trabalho nunca nos será pesaroso. Seremos bem sucedidos não por ganhar grandes salários, mas por mudar vidas e o mundo fazendo aquilo que nós amamos.

E quanto à aptidão? Como podemos identificá-la?

Veja também >> Brilho no olhar – O grande diferencial

Aptidão é a capacidade daquele que está apto, ou seja, daquele que tem habilidade de realizar uma tarefa de forma correta. Do latim “aptitudine” que significa “capaz de”.

Logo, podemos perceber que aptidão é uma capacidade.

Todo aquele que é capaz de fazer algo pode ser considerado apto para tal tarefa. Ao contrário da vocação, a aptidão é mais flexível e existem aptidões que podem ser adquiridas, enquanto a vocação se apresenta como algo mais pessoal e único do indivíduo. Isto não quer dizer que não existam vocações semelhantes e nem mesmo que vocação e aptidão são divergentes, pelo contrário, ambas trabalham em conjunto.

Vejamos, por exemplo, a aptidão musical. Algumas pessoas nascem com este talento, que se manifesta desde muito cedo, como foi o caso de Amadeus Mozart que já compunha aos cinco anos de idade. Contudo, mesmo quem não nasce com um dom musical pode aprender música. Com bastante prática é possível se tornar um profissional.

Isto se aplica também aos esportes e a outras artes. Embora o indivíduo não possua uma aptidão natural para determinada atividade é possível que ele(a), com muito treinamento, consiga ser tão bom quanto quem possui um talento nato.

Descobrir suas aptidões é fundamental, pois através desta descoberta podemos saber se seguiremos uma profissão que exija tais aptidões ou se precisamos nos preparar mais para exercer aquilo que nos agrada. Muitas pessoas conseguem unir sua vocação e suas aptidões em sua profissão. Outras possuem mais de uma profissão, uma onde trabalham com suas aptidões e suas habilidades e outra onde cumprem sua vocação.

Seja como for, todas devem ser tratadas com profissionalismo.

Sobre o autor

Dante de Souza
Dante de Souza

Gosto de escrever sobre filosofia, sobre a mente humana, sobre espiritualidade e autodisciplina. São os temas que mais me agradam.
Meu sonho é me tornar escritor profissional e transformar vidas com meus livros.

Todos os direitos reservados | Desenvolvido por Agência BW e Site Barato BH