Empresas investem mais em qualificação. O que isso significa?

Empresas investem mais em qualificação. O que isso significa

Imagem: Pexels

Qualificação anda colado com produtividade e qualidade. O que realmente significa essa força de investimento das organizações em mais qualificação?


Há alguns anos, quando ainda estava na faculdade, escrevi um artigo sobre a importância do desenvolvimento dos colaboradores para o crescimento sustentável das organizações.

Por coincidência, esses dias estava lendo uma pesquisa que mostrava que as organizações estão investindo mais na qualificação de seus colaboradores. No entanto, o que me chama a atenção é “será que eles estão investindo certo?”.
Investir mais na qualificação dos colaboradores é um bom sinal, pois mostra que as organizações já conseguem perceber que as pessoas são ativos importantes e não apenas “mão-de-obra”.

Todavia, é necessário que este investimento seja efetivo, isto é, que o dinheiro “gasto” pelas empresas em treinamento traga retorno real, caso ao contrário, em alguns anos veremos novamente diminuir a quantidade de empresas e/ou dinheiro investido em treinamento e desenvolvimento.

Veja também >> Inovação e a internet das coisas em gestão de mudanças

De fato, muitas vezes, não é necessário alto investimento para que o treinamento traga retorno para a organização.

Por exemplo, em treinamentos técnicos, ao invés de gastar contratando terceiros para aplicar um treinamento de um dia inteiro, puramente conceitual, por que não utilizar um membro da equipe, que domine o conhecimento técnico em questão, para treinar os demais colaboradores por uma ou duas horas por semana?

Além de mais barato, esta prática pode ser mais efetiva, visto que os colaboradores teriam mais tempo para assimilar o conteúdo proposto, que seria mais ligado às práticas da empresa (e não puramente conceitual com exemplos “mirabolantes”) e o colaborador que ministraria o treinamento desenvolveria novas habilidades, como comunicação e facilitação de conteúdo.

Nos treinamentos comportamentais, por que não propor a integração entre colaboradores que atuam em diferentes setores para que entreguem, após um determinado período, um projeto de melhoria para a organização? Assim, eles teriam a oportunidade de desenvolver habilidades como trabalho em equipe, resiliência, resolução de conflitos, gestão do tempo e liderança, somente para mencionar algumas.

Em resumo, investir mais em qualificação e/ou desenvolvimento dos colaboradores é um bom sinal. No entanto, para que as organizações percebam os resultados deste investimento é necessário investindo de forma inteligente, ou seja, saber o que, exatamente, os profissionais precisam desenvolver e buscar formas simples, porém efetivas para desenvolvê-los.

Sobre o autor

Daniela Gomes dos Santos
Daniela Gomes dos Santos

​​Graduada em Administração pela Universidade Ibirapuera desde 2013, pós-graduada em Gestão de Projetos pela Fundação Vanzolini/POLI-USP em 2016, certificada como profissional técnico em Gerenciamento de Projetos (CAPM®) pelo PMI e Six Sigma Green Belt (SSGB) pelo Six Sigma Institute.

Possuo experiência nas áreas Financeira, Compras, Consultoria Financeira (Auditoria Interna), Processos e Projetos, tendo atuado em diferentes indústrias (fonográfica, seguros, vestuário, bancos, educação).

Desde agosto de 2015, tenho atuado como empreendedora social, por meio do Projeto Social Desenvolve!, através do qual levo a conhecimento de estudantes do ensino médio de escolas públicas do Estado de São Paulo, as diversas oportunidades em termos de estudo e ingresso no mercado de trabalho, além de discussões sobre a importância de construir uma carreira com propósito.

Todos os direitos reservados | Desenvolvido por Agência BW e Site Barato BH