Os 8 estágios da vida, por Erik Erikson

Erik Erikson e os 8 estágios

Erik Erikson – Imagem: Picjumbo

Erik Erikson elaborou uma concepção de que o desenvolvimento de nossa vida passa por 8 estágios diferentes dentro do contexto em que vivemos.


O desenvolvimento é descrito em oito estágios que vão do nascimento até a morte. Em cada um desses estágios há uma função que assume uma vertente positiva e uma negativa na vida.

Esses estágios contribuem para a formação da personalidade e por isso são importantes mesmo depois de atravessado.

Erik Erikson

Erik Erikson foi um psicanalista responsável pelo desenvolvimento da Teoria do Desenvolvimento Psicossocial na Psicologia e um dos teóricos da Psicologia do desenvolvimento.

A teoria do desenvolvimento psicossocial de Erik Erikson diz que o crescimento psicológico ocorre através de estágios e fases, não ocorre ao acaso e depende da interação da pessoa com o meio que a rodeia.

Ele é o criado da expressão crise de identidade.

Cada estágio da vida é atravessado por uma crise psicossocial entre uma vertente positiva e uma vertente negativa. As duas vertentes são necessárias, mas é essencial que se sobreponha a positiva. A forma como cada crise é ultrapassada ao longo de todos os estágios influenciará a capacidade para se resolverem conflitos inerentes à vida.


1. Confiança  X  Desconfiança – (até um ano de idade)

Durante o primeiro ano de vida a criança dependente das pessoas que cuidam dela, requerendo cuidado para tudo. O amadurecimento ocorrerá de forma equilibrada se a criança sentir que tem segurança e afeto. Aos poucos vai adquirindo confiança nas pessoas e no mundo.

Esta interação permite ao bebê desenvolver um sentimento de confiança de que suas necessidades serão satisfeitas ou, se a mãe não foi atenta e carinhosa, de que não irá obter o que precisa, tornando-se desconfiado.

2. Autonomia  X  Vergonha e Dúvida – (segundo e terceiro ano)

Neste período a criança passa a ter controle de suas necessidades fisiológicas e responder por sua higiene pessoal, o que dá a ela grande autonomia, confiança e liberdade para tentar novas coisas sem medo de errar.

Se nessa fase for criticada ou ridicularizada, desenvolverá vergonha e dúvida quanto a sua capacidade de ser autônoma, provocando uma volta ao estágio anterior, ou seja, a dependência.

Ao permitir que a criança aja com alguma autonomia, sem superprotegê-la, ela adquirirá autoconfiança e sentirá que consegue controlar a si mesma e ao mundo ao seu redor.

3. Iniciativa  X  Culpa – (quarto e quinto ano)

Durante este período a criança passa a perceber as diferenças sexuais e os papéis desempenhados por mulheres e homens na sua cultura, entendendo de forma diferente o mundo que a cerca.

Se a sua curiosidade “sexual” e  intelectual for reprimida e castigada poderá desenvolver sentimento de culpa e diminuir sua iniciativa de explorar novas situações ou de buscar novos conhecimentos. Punições excessivas podem restringir a imaginação e a iniciativa da criança.

4. Construtividade  X  Inferioridade – (dos 6 aos 11 anos)

Neste período a criança está sendo alfabetizada e frequentando a escola. Isso que propicia o convívio com pessoas que não são seus familiares, o que exigirá  maior sociabilidade, trabalho em conjunto, cooperatividade, e outras habilidades necessárias.

Caso tenha dificuldades o próprio grupo irá criticá-la, passando a viver a inferioridade em vez da construtividade.

Veja também >> A Verdade é a Única Opção

5. Identidade  X  Confusão de Papéis – (dos 12 ao fim da juventude)

O quinto estágio ganha contornos diferentes devido à crise de mentalidade que nele ocorre, causando confusão entre a sua identidade e seu papel na sociedade.

É um momento de indecisões e confusões que são importantes para a formação de uma mentalidade sadia para a vida adulta.

Ao final deste estágio é desenvolvida a virtude da fidelidade aos sonhos e objetivos.

6. Intimidade  X  Isolamento – (jovem adulto)

Nesse momento o interesse, além de profissional, gravita em torno da construção de relações profundas e duradouras. Pode-se vivenciar momentos de grande intimidade e entrega afetiva.

Caso ocorra uma decepção a tendência será o isolamento temporário ou duradouro.

7. Produtividade  X  Estagnação – (meia idade)

Pode aparecer uma dedicação à sociedade e realização de valiosas contribuições, ou grande preocupação com o conforto físico e material.

É o momento de gerar!

Não é somente gerar filhos, mas também envolve o fato de criar e orientar as gerações seguintes. Para isso, é necessário que os pais tenham adquirido identidades próprias e bem definidas.

8. Integridade  X  Desesperança – (velhice)

Se o envelhecimento ocorre com sentimento de produtividade e valorização do que foi vivido. Se crescimento ocorre sem arrependimentos e lamentações sobre oportunidades perdidas. Então haverá integridade e ganhos, do contrário, um sentimento de tempo perdido e a impossibilidade de começar de novo trará tristeza e desesperança.

É o momento de profunda reflexão.


Fontes ou inspirações para este artigo:

Teoria Psicossocial do Desenvolvimento em Erik Erikson, artigo do site Psicologado.
Estágios do Desenvolvimento para Erik Erikson, artigo do site Portal Educação.



Quem escreveu

Redação Sucesso Jovem
Redação Sucesso Jovem

Portal Sucesso Jovem é um portal para desenvolvimento pessoal e profissional de jovens.

Todos os direitos reservados | Desenvolvido por Agência Sparta